Publicado em Deixe um comentário

Botafogo vence e deixa Minas Brasília no Z4 do Brasileiro Feminino

Compartilhar:

O Botafogo deixou a zona de rebaixamento da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino e mandou para lá o Minas Brasília. Neste sábado (15), as Gloriosas superaram as brasilienses por 2 a 0 no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, na partida que abriu a oitava rodada da competição.

As alvinegras chegaram a oito pontos, assumindo temporariamente o décimo lugar, mas podem retornar ao Z4 se Avaí/Kindermann, São José e Cruzeiro vencerem os respectivos jogos neste domingo (16). Já o Minas, com seis pontos, desceu para a 13ª posição, entrando na zona da degola, ultrapassado pelo próprio Botafogo.

Pouco ameaçado durante a partida, que foi acompanhada pela técnica da seleção feminina, Pia Sundhage, o time carioca teve a chance mais clara do primeiro tempo. Aos 39 minutos, a atacante Juliana tocou na saída da goleira Karen e a bola passou rente à trave direita. Aos 13 minutos, a zagueira Amanda chutou cruzado pela direita, Karen soltou a bola na pequena área e Amanda desta vez aproveitou, colocando as anfitriãs à frente. Três minutos depois, Brenda subiu na direita e cruzou rasteiro para a também atacante Kélen finalizar de primeira e garantir o segundo triunfo das alvinegras na temporada.

As Gloriosas abrem a nona rodada no próximo sábado (22), às 15h (horário de Brasília), contra o Avaí/Kindermann, no estádio Carlos Alberto Costa Neves, em Caçador (SC). No mesmo dia e horário, o Minas visita o Internacional no Sesc Campestre, em Porto Alegre.


Publicado em Deixe um comentário

Palmeiras goleia Real Brasília e continua líder no Brasileiro Feminino

Compartilhar:

O Palmeiras derrotou o Real Brasília por 4 a 0, na tarde desta quinta-feira (13) no Allianz Parque, em jogo da 7ª rodada da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. Com este resultado, as Palestrinas permanecem na liderança da competição, com 17 pontos.

Contando com o melhor ataque da competição, com 18 gols até o início da partida, o Palmeiras abriu o placar logo no primeiro minuto do confronto. A camisa 10 Bia Zaneratto marcou um belo gol, com um chute colocado de fora da área.

O 2 a 0 das Palestrinas veio ainda no primeiro tempo, aos 42 minutos. A meia Ary marcou após bela jogada de Bia Zaneratto. Com a boa vantagem, o time paulista conseguiu ampliar logo no início da etapa final, aos 4 minutos, quando Ottilia escorou após receber cruzamento de Katrine. E chegou aos 4 a 0 aos 37 minutos, quando Karol Arcanjo pegou de primeira após cobrança de escanteio. A partir daí, o Palmeiras diminuiu a rotação e administrou a vantagem para ficar com a vitória final.

Vitória gremista

Outra equipe a triunfar em casa na tarde desta quinta foi o Grêmio, que derrotou o Bahia por 4 a 2 em partida disputada no Centro de Formação e Treinamento Presidente Hélio Dourado, em Eldorado do Sul.

Após um primeiro tempo sem gols, o Bahia abriu o placar aos 6 minutos da etapa final com Roqueline. Mas, aos 14 minutos, as Gurias Gremistas empataram com gol em cobrança de pênalti de Maiara. A virada veio um minuto depois, em cabeçada de Pri Back.

As gremistas continuaram mandando no confronto, e ampliaram as 23 minutos com Nathane. Aos 37 Pri Back voltou a marcar, ao bater na saída da goleira adversária. Cinco minutos depois, Priscila marcou o segundo do Bahia em cobrança de pênalti para fechar o placar.

Com a vitória, o Grêmio ficou na 5ª posição da classificação com 13 pontos. Já o Bahia ocupa a vice-lanterna, com apenas 3 pontos.

Gurias Coloradas

Outra equipe gaúcha a triunfar foi o Internacional, que, jogando em Caçador, bateu o Napoli-SC por 2 a 1. Bruna Benites e Rafa Travalão fizeram os gols das Gurias Coloradas. Thaini descontou para a equipe da casa.

O triunfo deixou o Inter na 6ª posição com 13 pontos. Já o Napoli-SC permanece na lanterna da competição, com 3 pontos, após o revés.


Publicado em Deixe um comentário

Avaí/Kindermann e Minas Brasília deixam Z4 do Brasileiro Feminino

Compartilhar:

Dois jogos abriram na tarde desta quarta-feira (12) a sétima rodada da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. As vitórias de Avaí/Kindermann e Minas Brasília sobre Cruzeiro e Ferroviária, respectivamente, mexeram principalmente com a parte de baixo da classificação.

As Leoas Avaianas receberam as Cabulosas no estádio Carlos Alberto da Costa Neves, em Caçador (SC), e venceram por 3 a 1, dando fim a um jejum de cinco jogos sem triunfos. As catarinenses, que iniciaram a rodada na zona de rebaixamento (Z4), foram a sete pontos e subiram para décimo. As mineiras, com cinco pontos, retornaram ao Z4, na 13ª posição.

Atual vice-campeã nacional, a equipe do Avaí/Kindermann teve mais volume ofensivo ao longo da partida e saiu na frente aos 44 minutos do primeiro tempo. A lateral Carol roubou a bola na intermediária e abriu para Larissa pela esquerda. A atacante invadiu a área e bateu rasteiro para inaugurar o placar. No minuto inicial da segunda etapa, a atacante Lelê lançou Larissa, que dividiu com a goleira Mary Camilo. Na sobra, a atacante Catyellen completou para as redes, aumentando a vantagem da casa.

Entre os 11 e 12 minutos, a meia cruzeirense Duda teve duas oportunidades de finalização na área, mas parou na goleira Bárbara, que defendeu em dois tempos. As Leoas foram mais eficientes. Aos 17 minutos, Larissa foi derrubada na área pela zagueira Jajá. A própria atacante cobrou e converteu. As mineiras descontaram aos 35 minutos. A meia Vanessa bateu falta na área, a lateral Eskerdinha cruzou rasteiro e a volante Capelinha concluiu para o gol. O placar, porém, não se alterou mais.

No próximo domingo (16), o Cruzeiro recebe o Napoli, também de Caçador (SC), às 17h (horário de Brasília), no Sesc Alterosas, em Belo Horizonte. Já na segunda (17), o Avaí/Kindermann encara o Internacional no estádio Cristo Rei, em São Leopoldo (RS), às 15h.

Minas Brasília vence a primeira

No estádio Ciro Machado do Espírito Santo, o Defelê, em Ceilândia (DF), o Minas Brasília superou a Ferroviária, atual campeã da Libertadores, por 1 a 0. Foi o primeiro triunfo da equipe da capital federal no Brasileiro deste ano, enquanto as Guerreiras Grenás sofreram o segundo terceiro revés. As brasilienses subiram para o 12º lugar, com seis pontos. O clube paulista permanece com dez pontos, na sétima posição, mas pode descer na tabela na sequência da rodada.

O gol da vitória saiu aos 17 minutos do primeiro tempo, em pênalti cometido pela meia Duda, por tocar com a mão na bola dentro da área. A meia Karla Alves bateu e balançou as redes. As paulistas tentaram responder aos 26, em chute da entrada da área da meia Amanda que a goleira Karen salvou com a ponta dos dedos. Aos 35, a meia Aline Milene avançou pela esquerda e mandou na trave. Aos 37, Duda soltou a bomba de fora da área, mas Karen se atirou no canto esquerdo para defender.

A partir daí, o Minas conseguiu administrar melhor a pressão da Ferroviária. As grenás tiveram somente outra chance clara, aos 38 minutos do segundo tempo, em chute de Aline Milene, dentro da área, que saiu fraco e ajudou a defesa de Karen. As paulistas subiram as linhas no fim, sem assustar a meta das anfitriãs.

O Minas abre a oitava rodada no sábado (15), às 15h, contra o Botafogo, no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro. No domingo, às 20h, a Ferroviária recebe o São Paulo na Arena da Fonte Luminosa, em Araraquara (SP).


Publicado em Deixe um comentário

Obra "Sonhar Brasília" é lançada no Dia Mundial da Língua Portuguesa

Compartilhar:

O lançamento hoje (5) no Brasil da publicação infantojuvenil Sonhar Brasília, dedicada à capital do país, marca as comemorações do Dia Mundial da Língua Portuguesa, que ocorre nesta quarta-feira (5). O lançamento será feito durante evento online, às 15h, promovido pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Instituto Camões, o governo do Distrito Federal e embaixadas. O evento pode ser acompanhado no canal YouTube Unesco/Português, com retransmissão direta pelo portal da CPLP.

O Dia Mundial da Língua Portuguesa foi estabelecido pela Unesco em novembro de 2019 e comemorado pela primeira vez no ano passado.

O livro Sonhar Brasília reúne oito textos inéditos e ilustrados, selecionados pelas sete embaixadas dos países da CPLP com representação diplomática no Brasil – Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e Timor-Leste, em colaboração com o Secretariado Executivo da CPLP, o governo do Distrito Federal, a Unesco no Brasil e o Centro Cultural Português (Camões).

Os textos escolhidos são dos autores João de Melo (Angola), Conceição Freitas (Brasil), Vera Duarte (Cabo Verde), Jorge Luís Mendes (Guiné-Bissau), Bienvenido Ebang Otogo Obono (Guiné Equatorial), Mia Couto (Moçambique), José Luís Peixoto (Portugal) e Tino Freitas (Brasil/Timor-Leste), com ilustrações de Nelo Tumbula (Angola), Toninho Euzébio (Brasil), Davide Luís Mendes (Guiné Bissau), Daniel Esteves Moreira (Portugal) e Mariano da Cruz Santa (Timor-Leste).

Participam da sessão de lançamento da publicação conjunta a diretora e representante da Unesco no Brasil, Marlova Noleto; o secretário executivo da CPLP, embaixador Francisco Ribeiro Telles; o embaixador de Cabo Verde no Brasil, José Pedro Máximo Chantre D'Oliveira; e a chefe do Escritório de Assuntos Internacionais do Governo do Distrito Federal, Renata Zuquim.

Museu

Também no Brasil, o Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, terá atrações ao longo de toda a semana para marcar a data. Serão cinco dias de atividades gratuitas, iniciadas no último dia 3 e que se estenderão até o próximo dia 7, incluindo transmissões ao vivo e exibição de vídeos.

A programação inclui visita presencial à exposição temporária Língua Solta, para um público total de 160 pessoas, em grupos de dez de cada vez, com acesso mediante emissão antecipada de ingressos pela internet, informou a Secretaria de Cultura.

Descobrindo o mundo

Para o presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), professor Marco Lucchesi, a língua portuguesa “é a nossa forma de descobrir o mundo e de estar no mundo. Processo de descoberta e de pertencimento desse mundo. É um instrumento de sentir o que nós fomos, coletivamente, construindo. Uma língua que começou como língua de fronteira aberta, porosa, luminosa, de muito futuro, porque tem a palavra saudade e essa palavra não é, por assim dizer, um privilégio único de um sentimento da língua portuguesa, mas sim a palavra é também uma saudade do futuro”.

Segundo Lucchesi, isso foi sendo construído pela língua portuguesa, que é longa, profunda, cheia de camadas “e se tornou hoje de complexa geopolítica, uma língua da paz”. Acrescentou que um idioma que deu tantos poetas e escritores em todos os continentes é também fator de grande relevância “mas, sobretudo, porque é uma língua que é hoje instrumento de promoção de paz”.

Em transmissão hoje (5) pela internet, Lucchesi vai abordar o tema Novas Palavras, trazendo a percepção de palavras novas ou que entram de forma diferenciada na língua. A ABL vai destacar, semanalmente, palavras que foram repetidas em vários ângulos pela mídia e pela população.

O presidente da ABL acrescentou que o Dia Mundial da Língua Portuguesa é motivo de festa, de comemoração. Lembrou que a instituição adotou como estratégia o estabelecimento de acordo com a Marinha, para distribuição de livros dos acadêmicos aos países de língua portuguesa. Outro acordo inédito foi firmado pela ABL com as academias de Letras dos países lusófonos no ano passado.

Expressando cultura

Na opinião da professora adjunta do Departamento de Letras Neolatinas do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Maria Aparecida Cardoso Santos, a data é importante para celebrar o idioma. “É preciso que as pessoas tenham apreço, porque a língua é o modo de expressão, a cultura, representa tudo, a identidade de um povo”.

Ela ressaltou a necessidade de os jovens, especialmente, aprenderem a amar a língua, “a verificar a riqueza da língua”. Aprender línguas estrangeiras é muito positivo e importante, porque amplia as possibilidades de comunicação, mas conhecer a nossa língua é fundamental. “Porque é por meio da própria língua que a gente acessa a nossa história, nossa cultura, nossa identidade”.

A professora lembrou que a língua falada no Brasil veio com os colonizadores portugueses e foi se transformando ao longo do tempo. “Hoje é outra língua, que se assemelha e distancia da europeia”. A professora completou que a língua portuguesa tem uma riqueza muito grande. Então, quanto mais a gente a conhece, mais consegue compreender. E quando digo conhecer, falo em todos os sentidos. Não é só o estudo da gramática, mas é o estudo do texto, é saber ler e interpretar o que se lê, é saber escrever o que se pretende para comunicar exatamente o que se deseja. É uma série de coisas que perpassam, naturalmente, o conhecimento da língua”.

Evento lusófono

A programação do Dia Mundial da Língua Portuguesa 2021 foi divulgada em Nova York. Um evento com todos os países lusófonos foi organizado por Cabo Verde, que ocupa a presidência rotativa da CPLP. A data será comemorada em pelo menos 44 países, envolvendo mais de 150 atividades para festejar o idioma, falado por um contingente de 285 milhões de pessoas.

De acordo com informação do Instituto da Cooperação e da Língua (Camões) de Lisboa, o português é falado em Angola, no Brasil, em Cabo Verde, na Guiné-Bissau, em Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e no Timor-Leste. O idioma é língua oficial na Guiné-Equatorial e em Macau, na China. O português é falado também em comunidades no exterior, as chamadas “diásporas”. Segundo o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (Iilp), com sede em Cabo Verde, existem pelo menos 7 milhões de pessoas que falam o português nas diásporas.

Este ano, estão previstos conferências, concertos, concursos literários e de poesia e eventos acadêmicos, em sua maioria virtuais, para comemorar a data, em função da pandemia de covid-19. 

Futuro do português

Nas Nações Unidas, participam do Dia Mundial da Língua Portuguesa alunos da Escola da ONU que estudam português como língua estrangeira, como parte de um projeto piloto de ensino com docentes do Brasil e de Portugal. A subsecretária-geral do Departamento de Comunicação Global da ONU, Melissa Fleming, falará no evento sobre a importância e o futuro do idioma.

Como aconteceu no ano passado, o canal da ONU (ONU News) transmitirá os eventos ao vivo em sua página. Mais informações no site https://en.unesco.org/commemorations/portuguese-language-da.y

Em mensagem, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, disse que o Dia Mundial da Língua Portuguesa 2021 é um justo reconhecimento da relevância global do idioma. “Tenho certeza de que seu futuro continuará a ser enriquecido pela diversidade e solidariedade de todas as suas vozes”. 


Publicado em Deixe um comentário

Presidente do STJ autoriza construção de Museu da Bíblia em Brasília

Compartilhar:

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, autorizou ontem (26) a retomada das obras do Museu Nacional da Bíblia, cuja construção encontra-se paralisada em Brasília.

A obra foi interrompida por força de uma decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), que havia atendido a um pedido da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea). Para a entidade, o uso de recursos públicos pelo governo local na obra fere o princípio do estado laico.  

O governo do Distrito Federal recorreu então ao STJ. O executivo local negou que o novo museu possa ser considerado templo religioso e alegou que a instituição tem cunho cultural e educativo. Outro argumento foi o de que a paralisação das obras causa prejuízos econômicos a setores como o da construção civil e do turismo, afetando a geração de empregos em meio à pandemia da covid-19.

Ao liberar a construção, o presidente do STJ garantiu não haver nenhuma irregularidade. “O fato de o nosso país ser laico não obsta que museus possam ser construídos para tratar de fenômenos culturais religiosos”, escreveu Martins.

“Um museu para tratar da Bíblia, que inclusive embasa as mais variadas religiões, não significa que se está a impor uma religião. Ao contrário, deve-se estimular a existência de museus que tratem das mais diversas manifestações religiosas brasileiras”, acrescentou o ministro.


Publicado em Deixe um comentário

Museu de Arte Brasília é reinaugurado

Compartilhar:

Entre os eventos comemorativos ao 21 de abril, aniversário da capital federal, está a reinauguração do Museu de Arte da Brasília (MAB), que estava fechado há 14 anos. Fundado em 1985, o museu tem um acervo de mais de mil obras importantes da produção nacional, assinadas por expoentes como Tarsila do Amaral, Cildo Meireles e Sérgio Rodrigues.

Localizado nas proximidades do Lago Paranoá (SHTN, trecho 01, projeto Orla polo 03, Lote 05), o MAB estava fechado sob a justificativa de que o edifício não era adequado para servir de museu, motivo pelo qual ele teve seu funcionamento interrompido total ou parcialmente por diversas vezes, para que fossem implementados reparos ou reformas de infraestrutura.

De acordo com o Governo do Distrito Federal, o museu sofreu uma grande intervenção entre 1998 e 2001, quando seu layout foi bastante renovado. Ainda segundo o GDF, “apesar da escala das obras, os melhoramentos foram pouco eficazes, já que o museu foi novamente fechado em 2007, devido à precariedade de suas instalações”.

Após a reforma, o MAB reabrirá hoje com sua área expandida. O prédio foi adequado à sua finalidade, enquanto museu. Foi instalado um sistema de ar-condicionado em todo o edifício, e construído um laboratório para a restauração das obras de arte. Além disso, foram feitas melhorias voltadas à segurança do acervo e ao uso de fontes de energia ecológicas.

 


Publicado em Deixe um comentário

Potencial turístico de Brasília é destacado pelo governador do DF

Compartilhar:

O governador do Distrito Federal (DF), Ibaneis Rocha, foi o convidado do programa Revista Brasil, da Rádio Nacional de Brasília, veículo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Na entrevista de hoje, 21 de abril, data da inauguração de Brasília, Ibaneis, que é o primeiro governador nascido na capital federal, destacou o potencial turístico da cidade.

Ao âncora do programa, o jornalista Valter Lima, o governador falou também dos novos perfis econômicos que a cidade vem desenvolvendo e de algumas medidas que estão sendo adotadas para melhorar as condições de enfrentamento à pandemia.

“Brasília é um museu a céu aberto. Todos se encantam com o que veem aqui. Hoje, inclusive, reinauguramos o Museu de Arte de Brasília (MAB). Temos belíssimos monumentos e uma das catedrais mais lindas do mundo, além de uma população acolhedora. Quem vier, vais se dar a alegria de se ver o que há de melhor no Brasil”, disse o governador.

Ibaneis lembrou que a cidade, atualmente com 3,2 milhões de habitantes, vem desenvolvendo cada vez mais a função de elo entre as demais regiões do país, papel a ela atribuído antes mesmo de sua criação. “Brasília tem se destacado principalmente no ramo da distribuição, seguindo visão de Juscelino Kubitschek, de integrar Norte e Nordeste com Sul e Sudeste”.

O governador destacou a consolidação da economia do DF no setor de serviços e lembrou de medidas que foram adotadas para atrair as empresas. “Foram 30 empresas [que se instalaram na capital federal] só no ano passado. Estamos reenquadrando carga tributária e trazendo incentivos fiscais para que as empresas aqui se colocassem”.

Sobre o enfrentamento à pandemia, o governador disse que o altíssimo nível de contaminação, em termos proporcionais, que vem sendo registrado na capital é decorrente de uma “condição diferenciada” da cidade, que tem, como característica, o contato entre diversas populações e de visitantes.

Além disso, acrescentou o governador, “a grande maioria de nossa população passou férias em praias e se aglomeraram em festas”. Segundo Ibaneis, o DF está “correndo na instalação de novos leitos mas, infelizmente, a segunda onda veio de forma muito grave e, agora, já se fala de terceira onda atingindo os mais jovens”.

“Sabemos da situação difícil por que passa o DF, mas estamos concluindo três hospitais de campanha com 300 leitos de UTI e abrindo mais 100 leitos na cidade de Samambaia. Chegamos a um ponto em que não adianta ter dinheiro porque todos hospitais privados estão com suas UTIs 100% lotadas. Teremos dois ou três meses de muitas dificuldades”, acrescentou.


Publicado em Deixe um comentário

Brasília ganha exposição virtual com imagens e documentos inéditos

Compartilhar:

O Arquivo Publico do Distrito Federal (ARPDF) organizou um conjunto de cinco exposições virtuais inéditas e inclusivas, chamado de Brasília – uma epopeia de 130 anos, para comemorar os 61 anos da cidade.

As exposições contam com recursos de acessibilidade direcionados a deficientes visuais e surdos (Ledor e Libras).

Em um esforço de servidores do Arquivo Público, foi realizada uma curadoria entre os mais de 8 milhões de documentos do arquivo. Foram organizadas centenas de fotos, documentos e filmes, além de fatos e curiosidades sobre o planejamento, construção e inauguração da cidade.

A cada dia desta semana, é liberada uma exposição virtual. A primeira foi a Comissões Cruls, na última segunda-feira (19). Em seguida, vieram as Histórias do Lago Paranoá, nessa terça-feira (20), e hoje (21), Núcleo de Apoio. Amanhã (22), será a vez da Praça do Cruzeiro e, por fim, na sexta-feira (23), Marco Zero.

Acessibilidade

O acervo do Arquivo Público conta com 60% de seus itens digitalizados e adaptados para cegos e surdos. Segundo o superintendente do ARPDF, Adalberto Scigliano, o processo de digitalização teve início no ano passado. “Nossa meta é chegar até o fim deste 2021 com todas as mídias em formato acessível para todos portadores de necessidades especiais, sejam elas deficientes auditivos, visuais, ou com alguma limitação”, afirmou.

Scigliano ressalta que o objetivo da exposição é revelar o que não estava acessível à população. “Nosso trabalho vai muito além de só recolher documentos antigos e publicá-los. Queremos nos aproximar ao máximo da população brasiliense e contar suas narrativas, que até um tempo atrás estavam nas sombras”, ressaltou.

“É preciso conhecer o passado, mexer nos arquivos e entender a história de um povo para, assim, conseguir desenhar uma perspectiva de futuro. Quando uma população não sabe da história de seu próprio povo, as perdas são imensuráveis para todo o país”, ressaltou.

*Estagiário sob a supervisão de Kelly Oliveira.


Publicado em Deixe um comentário

Gênero gospel domina lista de músicas mais tocadas em Brasília

Compartilhar:

Nem só de rock vive a capital federal. Brasília, que completa 61 anos hoje (21), é famosa no cenário musical nacional por ser berço de grandes bandas que entraram para a história da música brasileira tocando o ritmo que ganhou projeção com Chuck Berry, Elvis Presley e Little Richard.

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) – órgão responsável por coletar direitos autorais de músicas em execução pública – traçou um perfil especial de Brasília para o aniversário da capital do rock. O órgão fez um levantamento das músicas mais tocadas nas rádios brasilienses entre 2016 e 2020, e do dinheiro arrecadado pela coleta de direitos autorais.

Segundo o levantamento, o gênero gospel atualmente domina a programação de rádios e também execuções públicas – como em casamentos, festas, missas, cultos e eventos em geral. Roberto Carlos, Tom Jobim e os Beatles também aparecem na lista.

Confira o ranking abaixo:

Ranking das 20 músicas mais tocadas em Brasília nos últimos 5 anos. Ranking das 20 músicas mais tocadas em Brasília nos últimos 5 anos.

Em primeiro lugar, “Frutos de justiça”, de autoria de Ronaldo Carneiro, é a música mais executada publicamente na capital. A canção tem diversas interpretações e é geralmente tocada em templos e igrejas evangélicas. O segundo lugar – também gospel – é o hino “Segura na mão de Deus”, de Nelson Monteiro. Em terceiro, uma música dance do ano de 1991 – “Everybody's free (To feel good)”. Na lista das 20 mais tocadas em Brasília, apenas a balada Yesterday, da banda inglesa The Beatles, pode ser considerada rock.

“Brasília é uma cidade em que a cultura se mistura à sua imponente arquitetura e história urbanística e a fazem única. É a capital do país, concentra tomadas de decisões importantes e tem a sua relevância na cena musical, assim como na participação da arrecadação e distribuição de direitos autorais”, disse a superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim.

Dentre as regiões administrativas do Distrito Federal, Brasília responde por 70% da arrecadação de direitos autorais. Rádio e TV compõem a maior fatia arrecadatória, com 60% do total de coletas do Ecad tendo sido realizadas por reproduções nesses meios.


Publicado em Deixe um comentário

Brasília completa 61 anos e encara o desafio da maturidade

Compartilhar:

Uma Brasília diferente, que Juscelino Kubitschek não poderia nem imaginar há 61 anos. Comércios fechados, pontos turísticos vazios e muitos trabalhadores em um ambiente diferente daquele desenhado e planejado por Oscar Niemeyer: o virtual.

A capital do país viveu seu primeiro ano de cidade madura imersa em um cenário nunca visto ao longo de sua história. “Uma imagem do início das medidas restritivas me marcou. Em uma caminhada eu não vi ninguém na rua e passei por um parquinho, aqui tem muito isso de as crianças irem ao parque ou brincarem em baixo do bloco, e eu não via ninguém. Aquilo me chocou muito”, descreve a servidora pública federal Tatiane Martins.

Foto: Ana Volpe/Agência Senado Foto: Ana Volpe/Agência Senado

Foto: Ana Volpe/Agência Senado – Ana Volpe/Agência Senado

Trabalho em casa

Nascida em Brasília e mãe de três filhos, em idades escolares diferentes, ela se viu da noite para o dia tendo que conciliar atividades domésticas, didáticas e profissionais em um mesmo ambiente: o home office. “Ainda tinha a questão emocional, que no início não sabíamos como iria ser, o que poderia acontecer com essa doença”, lembra.

Tatiane foi uma, dos quase 300 mil servidores públicos federais que trabalham em Brasília, e foram surpreendidos com a mudança na rotina.  “Eu nunca tinha feito home office, então, no início, até eu entender e montar uma rotina levou tempo. Aos poucos eu consegui, mas muita coisa mudou, até hoje é bem diferente do que eu vivi por anos”, diz.

<!–*/ */ /*–>*/

No início das medidas restritivas, em 2020, o engenheiro civil do Ministério da Economia, Bruno Queiroz, também permaneceu exclusivamente em home office por quatro meses, mas com os ajustes nas medidas de segurança sanitária, ele retomou algumas atividades presenciais necessárias à natureza de sua atividade de fiscalizar obras. “É muito estranho, quando eu preciso ir ao trabalho, me deparar com uma população que está em 15% do que costumava ver”, descreve Bruno.

Teletrabalho, home office ou trabalho remoto. Teletrabalho, home office ou trabalho remoto.

Teletrabalho – Marcelo Camargo/Agência Brasil

O engenheiro conta que, no órgão em que trabalha, a implantação do home office estava em estudo para vir a ser aplicada parcialmente, mas a pandemia acabou acelerando o processo e incluído quase todo o quadro, inicialmente. Para Bruno, a troca do ambiente de convivência com os colegas de trabalho por um ambiente virtual é a parte mais difícil. “Aquela pausa parta o cafezinho, aquele bate papo que, às vezes, dava aquela quebrada na rotina e tornava o trabalho menos cansativo, acaba se perdendo no ambiente virtual”, explica.

Fechando e abrindo portas

Segundo o presidente da Confederação dos Dirigentes Lojistas do Distrito Federal, Wagner Silveira, com servidores públicos e outros profissionais trabalhando em casa, alguns segmentos do comércio foram alavancados, em detrimento de outros. “Bares, restaurantes, eventos e academias foram os seguimentos mais afetados, enquanto que os seguimentos de internet, e-commerce, marketplace e material de construção bombaram”, diz e complementa “nós esperávamos que o e-commerce em três ou quatro anos fosse chegar ao nível que chegou no ano passado”.

Esse aumento na demanda foi sentido diretamente na empresa de e-commerce que atua no mercado de Brasília e do Centro-Oeste, onde Hugo Cândido ocupa o cargo de CEO. “A empresa cresceu 61%, o esperado era 20%, então crescemos três vezes mais que o esperado”, afirma.

Hugo conta ainda que a maior parte dos clientes que procuraram a empresa eram comerciantes locais que estavam com seus comércios fechados e precisavam vender no mundo digital imediatamente. “Nós poderíamos ter crescido muito mais se tivéssemos pensado meramente na parte econômica, mas nós também decidimos ajudar as pessoas”, conta.

Não foram todos os comércios que conseguiram se adaptar a uma versão digital. A servidora pública Tatiane Martins revela que ao longo do último ano, o número de comércios locais fechados foi outra mudança no cenário da cidade que chamou a atenção. “Eu lamento muito por estabelecimentos muito tradicionais que a gente passa e vê que foram fechados. Restaurantes que, desde que eu era menina, eu frequentava e hoje não existem mais.”

Comércio de rua e salões de beleza reabrem antecipadamente com autorização da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Comércio de rua e salões de beleza reabrem antecipadamente com autorização da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Comércio de rua  – Fernando Frazão/Agência Brasil

Comércio Brasília continua fechado Comércio Brasília continua fechado

Comércio Brasília  – Marcello Casal

Na avaliação do presidente da CDL-DF, os comércios que fecharam as portas eram os que já estavam em situação de vulnerabilidade, seja por questões administrativas ou por dificuldades em se modernizar.”

O executivo Hugo lembra que o número de empresas que não estavam preparadas para esse momento foi tão grande que foi necessário adaptar os serviços oferecidos para dar conta da demanda e não deixar de atender aos clientes e também de apoiar o comércio da região em um momento de dificuldade para a economia global. “A partir do momento que nós diminuímos o nosso pacote de serviços para uma versão pocket, eu também consegui abaixar o custo e com isso, atender mais pessoas”, diz.

<!–*/ */ /*–>*/

Dicas para criar ou migrar seu negócio para o comércio digital

Não espere cumprir todos os requisitos para ter o seu comércio digital;

Pesquise sobre o assunto;

Teste o seu público e descubra se é melhor iniciar com atendimento regional;

Saiba em que ambiente virtual seu público está;

Se não tiver capital para investir em um serviço de consultoria busque alternativas como redes sociais e plataformas gratuitas;

Caso precise de uma estrutura mais personalizada contrate uma consultoria.

 

Cultura online

Wagner Silveira diz que embora tenham sido muitos os comércios que fecharam as portas por causa da pandemia, outros muitos viram na crise uma oportunidade de crescimento. 

Essa foi a situação de uma das mais tradicionais casas de evento de Brasília, o Clube do Choro. “Foi um impacto muito grande porque nossas portas estão fechadas desde março de 2020”, afirma o violonista e diretor do Clube do Choro de Brasília, Henrique Neto.

Segundo ele, com um impacto direto na vida de quem trabalha no espaço e dos que vivem da cultura em Brasília, o Clube do Choro teve que se reinventar e criou atividades híbridas em que um mínimo de pessoas trabalhavam dentro do espaço e o público acessava por meio das redes sociais e de outras plataformas digitais. “Criamos o Instagram e o canal no Youtube do Clube do Choro, que agora está com uma programação bastante ativa” explica.

Além disso, novas programações foram produzidas para aumentar a interação com o público usual, por meio desses espaços virtuais, como o programa Papo com o Reco do Bandolim e a programação que estava prevista para a celebração dos 60 anos de Brasília, que aconteceria presencialmente em 2020, foi adaptada e será totalmente online, este ano, com o nome Brasília 60 anos + 1.

Veja o clipe produzido pelo Clube do Choro em homenagem ao aniversário da cidade:

<!–*/ */ /*–>*/

 

Na avaliação de Henrique, a situação, que inicialmente foi um golpe duro recebido, acabou sendo transformada pela equipe de profissionais do espaço em uma oportunidade de expandir o alcance do trabalho desenvolvido por músicos de Brasília a outros lugares fora do quadradinho do DF, inclusive a outros países. “Eu tenho certeza que vai vir para ficar essa nova possibilidade. A gente nunca vai parar de ser um ponto de encontro, mas tem pessoas que não moram aqui e agora vão poder ter acesso”, diz.

Turismo

A importância das pessoas no ambiente urbano foi mais um aspecto destacado por Tatiane, a partir da percepção que teve nos momentos em que circulou em Brasília no último ano. Os prédios monumentais desenhados por Oscar Niemeyer, com obras de arte em suas paredes, vitrais e mobiliários, talvez nunca tenham estado tão distantes do olhar próximo de quem visita a cidade ou vive nela.

O próprio prédio do Clube do Choro, desenhado pelo arquiteto e pensado para ser o ponto de fusão cultural da cidade é também considerado um ponto turístico, mas que permaneceu sem visitantes nos últimos meses.

“Uma das alternativas que a gente já estruturou é um projeto chamado Complexo Cultural do Choro, no qual vamos fazer uma programação aos finais de semana onde a gente vai promover feiras com uma programação bastante variada musical e artística, aproveitando e integrando as áreas externas entre o Clube do Choro e a Escola de Choro Rafael Rabello”, afirma Henrique.

Pensando na revitalização desses espaços, em um momento que exige distanciamento social, a Secretaria de Turismo do Distrito Federal divulgou rotas para passeios abertos durante a pandemia, como a Rota Náutica, com opções de passeio e vistas em toda a orla do Lago Paranoá, o maior lago artificial urbano do mundo; e as rotas Cívica, Arquitetônica e Cultural. “A ideia foi mostrar que Brasília é muito mais além do que a maioria das pessoas imaginam” afirma a secretária de Turismo do Distrito Federal Vanessa Mendonça.

Brasília 60 anos - Ponte JK Brasília 60 anos - Ponte JK

Brasília 61 anos – Ponte JK – Arquivo/Marcello Casal JrAgência Brasil

 

Pôr do sol no Lago Paranoá em Brasília, que completa 87 dias sem chuva Pôr do sol no Lago Paranoá em Brasília, que completa 87 dias sem chuva

Pôr do sol no Lago Paranoá em Brasília – Marcello Casal JrAgência Brasil

Segundo ela, o setor também recebeu toda a assistência por meio do programa “Juntos por Brasília e Juntos pelo Turismo” pelo qual foram realizadas ações para recuperação financeira do setor, a criação de protocolos para eventos e para atendimento no setor hoteleiro, além da criação de uma plataforma digital para comercialização da produção dos artesões.

Com o retorno gradual das atividades o setor também se transforma com o crescimento do turismo rural que, segundo um levantamento da Setur, aumentou 40% no Distrito Federal, durante a pandemia. “O turismo rural representa geração de emprego e a possibilidade de manter as famílias e a comunidade no lugar onde elas nasceram, com a perspectiva de desenvolvimento”, afirma Vanessa.

Apesar do tamanho do desafio, a jovem senhora capital federal comemora seus 61 anos como um dos principais destinos a serem visitados pelos brasileiros após a flexibilização das medidas restritivas causadas pela pandemia, segundo o ranking destinos turístico tendência para 2021, realizado pelo Ministério do Turismo.

Brasília 60 Anos - Santuário Dom Bosco Brasília 60 Anos - Santuário Dom Bosco

Brasília 61 Anos – Santuário Dom Bosco – Marcello Casal JrAgência Brasil

Ressignificada, Brasília se fortalece pelas mãos de cada um dos mais de 3 milhões de habitantes que lutam para que essa página da história da capital federal seja lembrada como um momento superado. “Quando esse momento terminar, a gente vai vir fortalecido e com novas esperanças”, conclui o musico brasiliense Henrique Neto.